Publicado por: Guilherme Byrro Lopes | 30/11/2009

Sustentabilidade ou Fatalidade?


Em linha com a série especial de posts sobre o livro “O Colapso” de Jared Diamond, o próximo capítulo a ser comentado se refere à Ilha de Páscoa. Numa pesquisa rápida para poder, não apenas comentar o livro, mas, também, adicionar informações novas e relevantes para quem está acompanhando, me deparei com um exercicio simples que foi proposto pelo historiador Ronald Wright em 2004, (Massey lectures – “A Short History of Progress“) e divulgado pela Galileo Educational Network (arquivo original em inglês). A grande lição que fica é a mesma que todos economistas aprender no seu primeiro dia de faculdade: “…the science which studies human behaviour as a relationship between ends and scarce means which have alternative uses” (Lionel Robbins – 1932 essay), onde Scare (escassez, em inglês) significa que os recursos disponíveis são insuficientes para satisfazer todas as necessidades e desejos (wikipedia).

Abaixo segue o EXERCÍCIO em português:

Após uma viagem épica pelas águas do Pacífico, os catamarãs polinésios  chegaram  em Rapa Nui (a “Ilha Grande” também conhecida como “Ilha de Páscoa”) a aproximadamente 1.500 anos. A ilha era uma paraíso de  palmeiras e lagos nas crateras de vulcões já extintos.

Rapa Nui (Ilha de Páscoa) tem aproximadamente 160km² (60 milhas quadradas) de florestas de palmeiras e tem início com  chegada de um (1) grupo de polinésios. A cada 100 anos (1 turno) é possível alterar a alocação dos grupos de habitantes entre as atividades que seguem abaixo. Cada grupo pode ser alocado apenas uma atividade:

1 – Construção de Barcos de Pesca (Building fishing boats): Essa atividade consegue sustentar um grupo de pessoas pelos próximos 2 turnos (200 anos). A população da ilha cresce ou se reduz de acordo com a disponibilidade de alimento. Por exemplo, 3 grupos de pessoas alocados na construção de barcos no 6°turno e mais 2 grupos alocados nessa atividade no 7° turno permitiram 5 (3+2) grupos de pessoas no 8° turno.  Contudo, a construção de barcos de pesca durante 100 anos (1 turno) requer o corte de 1 milha quadrada (aproximadamente 2,7 km²) da floresta de palmeiras.

2 – Construção de Moai (Erecting Moai): Os polinésios acreditavam que seriam abençoados por seus ancestrais, sendo os próprios Moais representativos dos antigos chefes polinésios. Por isso construíam Moais, que variavam de 3 a 12 metros de altura, podendo chegar a mais de 80 toneladas. As estatuas eram esculpidos em rochas vulcânicas da ilha e eram transportadas em cima de toras de madeira até plataformas de pedra chamadas de ahu, para as cerimônias. A construção e transporte dos Moais durante 100 anos (1 turno) requer o corte de 1 milha quadrada (aproximadamente 2,7 km²) da floresta de palmeiras.

3 – Reflorestamento (Sing, dance and hug the trees): Consideremos que essa atividade é a que cuida do reflorestamento da ilha, de pessoas conscientes que sabem que os recursos são escassos e por isso investem tempo e trabalho para plantação de mais árvores (melhor do que assumir que cantando, dançando e abraçando as árvores, elas vão crescer mais. E não, eu não acredito em psicologia das árvores). A cada 100 anos (1 turno) essa atividade consegue recuperar 1 milha quadrada (aproximadamente 2,7 km²) da floresta de palmeiras.

Exemplo:

Sabendo disso, seguem as perguntas do exercício:

1 – Sabendo que as atividades 2 e 3 nunca são escolhidas, como cresce a população da Ilha de Páscoa? Em quantos anos a ilha perde suas florestas?

2 – Sabendo que a atividade 3 nunca é escolhida, qual o número máximo de Moais que podem ser criados antes do fim dos recursos?

3- Qual a produção máxima de Moais, de maneira sustentável?

4 – Qual a população máxima que pode existir na ilha sem a construção de Moais e de maneira sustentável?

Outras inúmeras perguntas poderiam ser feitas, mas essas já nos trazem uma visão do que pode ter acontecido na Ilha de Páscoa antes mesmo de conhecer a história. Apenas como curiosidade, os números  reais apontam para existência de 887 Moais em Páscoa e estimativas de população que variam entre 10.000 e pouco mais de 30.000 pessoas no seu ápice, dependendo da fonte.

(continuação…)


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: