Publicado por: Guilherme Byrro Lopes | 26/10/2015

Brasil – Uma perspectiva para 2015/2016 (Update Out/15)


Leia maisEXPECTATIVAS DE MERCADO (Updates)

De acordo com a pesquisa das expectativas do mercado, realizada pelo Banco Central do Brasil (BCB) com expectativas até 23/10/15, o cenário de crescimento econômico é cada vez mais trágico. As expectativas de mercado no início de 2013 para o crescimento do PIB em 2015 se encontravam próximas de 3,5% (que era uma expectativa do PIB potencial na época). Contudo, a piora gradual mas contínua da condução da política econômica, resultando numa das mais graves crises fiscais o país (“nunca antes nesse país…”) colocou essa projeção em trajetória de queda. Assim, em 2015 a economia deve cair 3%. Com sorte 2016 não reduzirá  a economia mais de 1%, apesar das expectativas já apontarem queda de 1,5%. Conforme as projeção, talvez em 2019 nós tenhamos o mesmo nível de produção que em 2014. Considerando também o ano que passou, são 3 anos de estagnação econômica com inflação em alta. São 3 anos de perda de poder de compra. São 3 anos (no mínimo) de consequência dos erros econômicos e políticos dos últimos anos. E são outros 3 para recuperar o tempo perdido. O Brasil tenta dar um passo ao futuro mas parece dar dois passos ao passado e é por isso que sempre seremos o país do futuro.

A inflação que fechou 2014 praticamente no teto do intervalo tolerado (6,4%) está bem acima da meta (4,5%) para 2015 enquanto os juros fecharam o ano passado em patamar acima de quando a presidente assumiu (em 11,75%), com viés de alta para combater a inflação que continua em patamar elevado. Para os próximos anos a expectativa de inflação acima da meta se mantém (9,85% para 2015 e 6,2% para 2016), com convergência para meta no médio prazo (2019!, sim é frustrante). Na última avaliação a expectativa de inflação estava em 8,5%, ou seja, um rápida deterioração da situação em pouco tempo. Enquanto isso, a taxa de juros que deve oscilar dentro da casa de 2 dígitos nos próximos anos, com expectativa de 14,25% para 2015 e 13,0% para 2016 (lembrando que a pesquisa FOCUS reflete uma percepção do mercado sobre vários indicadores econômicos). Nesse cenário de inflação e juros altos, as projeções de PIB devem continuar em baixa.

  • PIB

Nos próximos dois anos o brasileiro ficará com mais saudade de olhar para o PIB de 2014 do que pensar em como vai terminar os anos de 2015/2016. A trajetória de revisões do PIB nos últimos anos que colocou a projeção em patamar negativo (recuo de 3% do PIB) é reflexo da postura e das políticas econômicas do país. Os erros se sobressaem aos acertos (claramente) e ao invés de crescer e gerar renda, nós estamos destruindo empregos, produção e empobrecendo. As políticas heterodoxas de anabolizar o PIB quando o ciclo era de alta só fizeram com que a situação fiscal se deteriorasse e esgotaram os instrumentos para se combater a crise quando ela de fato chegou. Conclusão? Os efeitos da crise se aprofundaram.

Nossa presidenta mitológica (ela é um mito, para quem não sabe, afinal em cada discurso há um grande desprendimento da realidade, como no recente caso de estocar vento…) achou que era Ícaro, prometeu o Bolsa-Enxame e o criou o programa “Minha Colméia, Minha Vida” em troca de cera das abelhas e arrancou as penas de uma gaivota (na versão tupiniquim deve ter sido uma galinha e daí que deve vir o vôo de galinha do PIB). Assim, construiu suas asas e voou, fugindo dos labirintos de Brasília e quis voar perto demais do Sol (ou do PMDB). Parece não ter ouvido o conselho dos ortodoxos e as asas derreteram e acabou por cair ao mar da política. O final trágico ainda não se anunciou, mas seguramente nossa versão de Ícaro está a deriva e talvez se afogue.

Desde 2011 já havia sinais de esgotamento do modelo econômico, sinal de que já estávamos perto demais do Sol. Não foi surpresa o PIB de 2014 crescer 0,1%, assim como não deve ser surpresa que o PIB de 2015 seja negativo e que em 2016 também devemos retrair a atividade econômica. Sair de uma perspectiva de crescimento de 3,5% para -3,0% esse ano (são 6,5 pontos percentuais de diferença)  é algo que poucos países sérios conseguiram até hoje. Talvez o Brasil não seja sério, conclusão. Se em três anos (2014-2015-2016) o Brasil poderia crescer acima dos 3% ao ano (ou 9% no acumulado) mas na prática deve cair 4,5% no acumulado, pode-se dizer que são 13,5% de PIB que não foi gerado. Por favor, coloquem esse número na conta da eleição! Não, não é desvio nem corrupção, é inabilidade e incompetência! São R$ 737 bilhões que deixaram de ser criados, são R$ 3.685 que deixou de crescer na renda per capita do brasileiro.

pib_anual_20151026

Infelizmente, as trajetórias para os anos além de 2016 também começam a reduzir. O ano de 2015 era considerado o ano do ajuste no início do ano, mas até agora não se viu nada. Comunicar um ajuste não é o mesmo que executar um ajuste (para ler mais sobre isso veja: Ajuste Fiscal ou “Alô, alô, planeta terra chamando…”). O país está andando para trás. O desemprego está aumentando, a arrecadação continua a ser mais fraca e isso requer um novo ajuste para fechar as contas. Enquanto a presidente fica com “popularidade em baixa”, o cidadão (na maioria quem a escolheu) fica com desemprego, fica com “renda em baixa”, fica com dívida em alta e fica com sofrimento para toda família.

  • Inflação

Como já retratado no último update de mercado (em Jun/2015 – aqui), duas observações sobre a inflação são interessantes (mas não são boas). A primeira é a de que o Banco Central falha em perseguir a meta de inflação. Durante todo o primeiro mandato da presidenta Dilma não houve convergência para a meta de inflação e não deve haver para 2015 nem para 2016. Eu só posso entender isso como uma falha, independente de qualquer viés ideológico, pois comunicar algo e não atingir é uma falha e ponto. A segunda observação é referente ao estrago dos preços administrados (que foram segurados artificialmente até se ganhar a eleição), que destrói o IPCA de 2015 e contamina o resultado para os próximos anos. Temos 2015 com quase 10% de inflação (perda de renda do trabalhador), temos o BC não aumentando juros nas últimas duas reuniões e as expectativas subindo mais e temos 2016 apontando para uma inflação acima do limite superior de tolerância da inflação (me recuso a chamar de teto da meta, pois a meta é 4,5%, sendo em si mesma o próprio piso e teto, senão não era meta). O limite superior significa já ter estourado a meta e superar o limite superior significa estourar a tolerância, o que não parece querer significar nada, aliás não sei mais o motivo de existir esse limite, já que não tem uso.

ipca_anual_20151026

Assim, deixamos a meta em aberto e dobramos a meta, uma vez que a meta de 4,5% já foi superada e o dobro dela também. Há pouco para se dizer a não ser que não existe gestão no Banco Central, a julgar não pelo trabalho diário de todos os excelentes técnicos, mas a julgar pelos resultados entregues a sociedade. No fim do dia, vale o que é entregue.

  • Juros

De pedalada em pedalada, o juros foi subindo o morro. Acho até que deveríamos criar uma ciclovia para que o juros passeie tranquilamente. Em reportagem do Valor em 14/10 (BC admite que juro baixo causou inflação – aqui), veiculada por outros sites de informações, o próprio BC se coloca como responsável por ter causado pressão inflacionária nos últimos anos, consequência dos mandos políticos de forçar a taxa de juros para baixo, como queria (de forma velada) a presidenta. Assim, no gráfico abaixo a montanha russa dos juros no país apontam mais uma vez para a seriedade das instituições no Brasil: gostamos de viver com emoções! É o nível mais alto dos juros, em meio a crise, que corrobora a visão dos anabolizantes econômicos nos períodos de alta da economia e os efeitos colaterais nos momentos da crise, aprofundando os sintomas.

selic_efetiva_mes_20151026

Visto dessa maneira, não há que se esperar projeções positivas. Para 2015, apesar da alta do dólar que poderia contaminar a alta de preços, o BC não elevou os juros, por entender que os efeitos na economia seriam mais devastadores do que a inflação. Méritos do BC e culpa do BC, pois está refém de uma situação que é a soma de erros históricos e interferência política. Fez bem em não aumentar os juros mas ainda está operando de forma passiva, com as mão atadas. Questiona-se a credibilidade mais uma vez pela passividade. Até o final do ano a SELIC deve permanecer em 14,25% ao ano, segundo as projeções de mercado. Para 2016 espera-se uma redução suave até o final do ano, para fechar em 13%.

selicf_anual_20151026

Façamos as contas de SELIC em 14,25% em 2015 com inflação de 9,85% e a taxa de juros real ex ante é de 4,4% ao ano e para 2016 temos que a taxa de juros real deve se aproximar de 6,8%. Nesse nível, são poucos os investimentos produtivos que batam essa taxa (considerando principalmente que a demanda está em baixa e não tem prazo para recuperação), motivo pelo qual a taxa de investimento no país não deve se elevar nos próximos anos, tendo o mercado de títulos públicos a maior atratividade. Soma-se a isso o fato do governo estar em péssima situação fiscal e ter que emitir títulos com elevadas taxas de retorno, como mostra a tabela abaixa retirada do site do Tesouro Direto (acesse aqui). As taxas reais acima de 7% e mais até para os títulos prefixados (para inflação de 6,2% em 2016, o pré 2018 pagará 9,61% de juros ao ano) colocam a trajetória de dívida do governo numa crescente situação de piora.

tesouro direto 20151026

A situação econômica no país não é boa e não tem muito prazo para melhorar nos próximos 2 anos. O reflexo das escolhas individuais do pais nos colocaram nessa situação, de forma democrática. Agora todos pagamos pelos erros do governo.


Responses

  1. BOA TARDE MEU NOME É FELIPPE, ESTOU FAZENDO UM TRABALHO E ESTOU UTILIZANDO UMA PARTE DO SEU ARTIGO, A PARTE QUE FALA DO PIB, GOSTARIA DE SABER ONDE VOCÊ ENCONTROU O GRAFICO OU SE FOI VOCÊ QUE O FEZ.
    MUITO BOM SEU ARTIGO GOSTEI BASTANTE, PARABENS…
    DESDE JA AGRADEÇO À ATENÇÃO

    Curtir

    • Felipe, desculpe a demora em responder. Os gráficos foram feitos em planilhas de excel com os dados disponibilizados pelo BC. Obrigado! Abs, Guilherme.

      Curtir


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: